sábado, 15 de agosto de 2015

PRESIDENTE DA AMM RECLAMA DO DESCASO DOS GOVERNOS.

Presidente da AMM critica descaso com municípios por parte dos governos federal e estadual

13 de Agosto de 2015


Preocupação dos líderes missioneiros é que a disputa entre União e Estado atrase, ainda mais, o desenvolvimento dos municípios com o cancelamento de projetos já iniciados

Mesmo com todos os problemas econômicos e financeiros que a União e o Estado do Rio Grande do Sul estão enfrentando desde o início do ano, até o momento, as prefeituras integrantes da Associação dos Municípios das Missões (AMM) estão conseguindo equilibrar as finanças, e realizar alguns investimentos. Inclusive, a maioria dos municípios missioneiros conseguiu pagar a metade do 13° salário, apesar de toda a crise. No entanto, a partir de agora, os municípios terão que realizar verdadeiros malabarismos para manter em dia o cronograma de pagamentos e investimentos, até porque, algumas empresas da região já começaram a sentir os efeitos da desaceleração do crescimento econômico, o que significa menor arrecadação de impostos.
A constatação é do presidente da Associação, prefeito Angelo Fabiam Duarte Thomas, ao comentar a decisão da União de bloquear os repasses ao RS, e ainda reter todos os recursos que entram no caixa do governo gaúcho, até estar quitada uma das parcelas da dívida que o Estado tem com o governo federal. "Infelizmente, os municípios devem sofrer um novo revés financeiro, não bastassem os atrasos no repasse de verbas que nos pertencem por direito, e está levando as prefeituras a uma situação de fragilidade total. E agora, devemos sofrer as consequências desta crise instalada entre o Estado e a União”, criticou o dirigente da AMM, explicando que já solicitou providências à Famurs para que os municípios recebam informações oficiais dos prejuízos desta crise institucional.

Abalos irreversíveis 

O presidente da Associação considera, no mínimo, vergonhosa a atual condição política e econômica dos governos estadual e federal. “Esta situação inviabiliza o desenvolvimento das comunidades e a prestação de serviços básicos ao cidadão. Se todos os recursos a que tivessem direito estivessem sendo pagos em dia, ainda sim, estaríamos lutando contra a crise. Contudo, com todos os atrasos, bloqueios, e calotes, sem exageros, a gestão pública municipal poderá sofrer abalos irreversíveis em curto tempo”, explicou Fabiam, que é prefeito de Giruá.
Para evitar a instalação da crise na região missioneira, em proporções que prejudiquem o crescimento que os municípios estão conseguindo de forma lenta, mas constante, a AMM vai continuar atuando para garantir o repasse dos recursos a que tem direito. “Formalizamos requerimento junto à Famurs para que seja esclarecido qual o risco dos municípios em decorrência do bloqueio federal. E, a partir daí, vamos atuar para garantir a liberação das verbas”, pois os municípios, que não contribuíram com esta crise, é que serão penalizados”, esclareceu Angelo Fabiam Duarte Thomas. 


Site da AMM. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PONTE BINACIONAL NA REGIÃO DAS MISSÕES JESUÍTICAS.

Região das missões jesuíticas contará com ponte binacional 14 de Fevereiro de 2019 Comitiva Região das Missões com Ministro do T...